Classificação Básica do Sake

por Erich Yoneyama
Classificação Básica do Sake

Antes de mais nada, vale lembrar que a nossa intenção não é julgar o melhor ou pior sake. Mesmo porque isso é um mundo particular de cada indivíduo que aprecia essa bebida, suas preferências pessoais e sua própria história para trazer um significado único na escolha de sua bebida.

Sim, quanto mais complexo o processo produtivo, maior tende a ser o preço do rótulo. Mas não dá exatamente para afirmar os "melhores" sempre são mais caros.

É verdade que, dado o volume de produção mais limitado e os altos custos do processo e da importação, o valor da bebida pode variar bastante (e geralmente para cima). Mas nós da Sake Store temos como objetivo apresentar o que pode ser o melhor custo-benefício e tornar cada vez mais acessível essa incrível experiência.

Nesse artigo, tentaremos dar um norte para que você entenda os principais grupos característicos da bebida conforme seu processo produtivo e, assim, possa escolher com auxílio o seu rótulo, qualquer que seja sua ocasião.

Além disso, cada página de produto possui uma descrição mais detalhada e uma sugestão de harmonização com comidas de vários países do mundo (não apenas o Japão).

Se ainda assim tiver alguma dúvida, não deixe de nos escrever para atendimento@sakestore.com.br e direcionaremos sua dúvida a um especialista.

 

De forma geral, os sakes são classificados segundo dois critérios:

  1. o grau de polimento do grão de arroz no processo;
  2. adição (ou não) de álcool destilado durante a produção.

 

O grau de polimento do arroz (seimaibuai):

A introdução dessa etapa do processo é considerada por muitos como o marco de uma nova era na produção de sake, apresentando um ganho nas qualidades e propriedades gustativas da bebida.

A intenção é retirar do grão de arroz as camadas mais externas, com maior concentração de lipídios, proteínas e minerais que possam inibir o processo de fermentação e interferir no sabor final do sake.

Atenção: o grau de polimento (seimaibuai) indica o percentual restante, em peso, do arroz após o polimento. Isso significa que quanto menor o seu valor, mais matéria foi eliminada do grão.

Grau de polimento do arroz
fonte: Tatsuuma-Honke Brewing Co. Ltd.

 

Adição de álcool destilado à bebida:

Na maioria dos sakes produzidos, o teor alcoólico fica entre 13% a 16%. Além da diluição com água, esse teor de álcool pode ser obtido por duas diferentes formas:

  • JUNMAI: proveniente apenas como resultado do processo de fermentação; ou
  • ARUTEN: adicionando álcool destilado

O termo "Junmai" significa arroz puro e indica que a bebida é produzida sem a introdução de álcool destilado.

Aruten designa todas os sakes onde há adição de álcool destilado - muitas vezes generalizados como Honjozo.

Importante citar que essa adição não resulta em bebidas de alto teor alcoólico. São bebidas com características de sabores leves e menos encorpadas. A grosso modo, pode-se fazer um paralelo aos vinhos brancos.

 

A classificação básica dos sakes:

Agora que você já sabe o caminho para se classificar os sakes pelo seu método produtivo, vamos agrupá-los e apresentar a nomenclatura mais usual:

Os tipos de sake
créditos: Takara Sake USA Inc

 

  • JUNMAI: os sakes produzidos sem a adição de álcool destilado. Não há regulamentação sobre o grau de polimento. Em geral, são produzidos com um mínimo de 70%.
  • JUNMAI GINJO: sakes produzidos sem a adição de álcool destilado e com grau de polimento de 60% ou menor.
  • JUNMAI DAIGINJO: sakes produzidos sem a adição de álcool destilado e com grau de polimento de 50% ou inferior.
 
  • HONJOZO: sakes produzidos com a adição de álcool destilado e grau de polimento de 70% ou inferior.
  • GINJO: sakes produzidos com adição de álcool destilado e grau de polimento de 60% ou inferior.
  • DAINGINJO: sakes produzidos com adição de álcool destilado e grau de polimento de 50% ou inferior.

 

Outras classificações de sake:

  • FUTUSHU:  o sake regular, sem classificação de polimento. Representa 65% da produção japonesa da bebida.
  • NIGORI: a tradução para "nebuloso". Indica um sake de filtragem grosseira, onde partículas não fermentadas do arroz ficam em suspensão no líquido. Resulta em uma bebida de sabores acentuados, geralmente adocicado.
  • SPARKLING: sake gaseificado.
  • KOSHU: sake envelhecido com tempo mínimo de 3 anos.
  • NAMA: sake não pasteurizado. Necessita de refrigeração constante para prevenir a mudança de cor ou alteração no aroma e sabor.
  • GENSHU: um sake não diluido. Em geral, os sakes são diluídos com água para reduzir seu teor alcoólico.
  • KINPAKU IRI: sake comemorativo com flocos de ouro em suspensão. A adição desse elemento não altera as propriedades da bebida.

Não deixe de consultar também nosso glossário do sake para demais termos relacionados ao universo do sake.

 

 

por Erich Yoneyama

Posts mais vistos

Descobrindo o Sake!

Descobrindo o Sake!

Ler mais

Siga-nos

Newsletter